Campanha Salarial Aeroviários

Aconteceu, nesta quarta-feira (17/02/2016), mais uma audiência de conciliação na sede do Superior Tribunal do Trabalho (TST) entre empresas aéreas e sindicalistas.
Na audiência, coordenada pelo Ministro Ives Gandra, as aéreas insistiram na impossibilidade de garantir a inflação aos trabalhadores.

Gandra apresentou uma proposta de conciliação com o apoio das empresas, para a concessão de um reajuste de forma escalonada nas folhas pagas no início de março e junho de 5,5% para os trabalhadores que ganham até 10 mil reais.
Ou seja, em março aconteceria um aumento de 5,5% no salário, e em junho haveria outro aumento.

Como os reajustes não serão retroativos à data base da categoria, a proposta encaminhada na conciliação representará um reajuste bem abaixo da inflação medida no período. Que totalizou 10,9%, segundo o INPC, índice de preços do IBGE. Em geral, o INPC apresenta resultados menores que os apurados por outros índices como o IGPM, da Fundação Getúlio Vargas, utilizado como balizador dos reajustes nos contratos de aluguel.
Situação mais grave ainda acontecerá aos trabalhadores de maior renda, aqueles que recebem acima de dez mil, que terão um aumento limitado a R$ 550,00 por parcela que deve ser incorporada aos seus salários.

Nessa mesma proposta do TST as empresas ofereceram ainda um abono equivalente a 10% do salário, ou no mínimo no valor de R$ 300,00, que seria pago junto com a folha de fevereiro.

campanhaOs benefícios de vale refeição e alimentação teriam o reajuste inflacionário, ou seja, retroativo a data base da categoria.

O Ministro Ives Gandra demonstrou satisfação com o compromisso dos sindicalistas em defender a proposta nas assembleias em suas bases.Que irão acontecer pelo país já nessa quinta-feira.

Serão as assembleias que decidirão se os trabalhadores da aviação aceitarão a proposta patronal de reajuste.

 

Comente :