Sanovicz fala que retração foi até fevereiro de 2017

 

O presidente da Associação Brasileira de Empresas Aéreas (Abear), Eduardo Sanovicz, falou no último dia 04, no seminário “Desafios da Aviação” promovido pela Confederação Nacional do Comércio (CNC)  em parceria com a entidade.

Durante o painel Sanovicz ressaltou que o setor perdeu 60 aeronaves entre agosto de 2015 e fevereiro deste ano. E que, nesses 19 meses seguidos de retração, as aéreas nacionais perderam mais de 7 milhões de passageiros. Para ele agora o desafio é “trazer de volta essas aeronaves e passageiros”.

Sanovicz também apresentou números da indústria, ressaltando que o país em 2016 teve 110 milhões de passageiros no transporte aéreo regular doméstico e internacional, 2,7 mil decolagens e pousos diários e 70 destinos internacionais ligados diretamente ao país. Segundo ele o setor é responsável por 3,1% do PIB nacional (efeito direto, indireto, induzido e efeito-renda), e deve ser encarado como um motor do desenvolvimento.

Para a Abear a principal dificuldade das aéreas, no país hoje, é as diferença na cobrança do ICMS sobre a querosene de aviação. Para a entidade apenas o Brasil tem impostos regionais sobre o combustível. A entidade busca a aprovação de um teto de 12% para o ICMS cobrado pelos estados para os voos domésticos (rotas internacionais estão isentas do imposto), o que, segundo um estudo de 2016 da própria associação, significaria uma economia de 490 milhões ao ano para as empresas. As aéreas justificam a medida com a promessa que desta forma seria possível ampliar a aviação regional no país e se equiparar as suas congêneres internacionais.

EventoSeminário Desafios da Aviação - 2017

O seminário “Desafios da Aviação”, quarto evento da série “Turismo – Cenários em Debate” aconteceu, no dia 04 de outubro, em Brasília no auditório da CNC e contou com a participação de representantes da Abear, IATA, Inframerica (Aeroporto Brasília), Aeroporto do Galeão, Secretaria da Aviação Civil do Governo Federal e do Fórum Nacional de Secretários de Turismo.

Comente :